Esforço, Dedicação, Devoção e Glória. Eis o Sporting

Sporting Clube de Portugal verde branco


Como remover nódoas de todos os tipos: truques e dicas

Muitas vezes as nossas camisolas têm nódoas desesperantes. Ou já nos chegaram assim às mãos, ou usámo-las para jogar à bola naquele dia de chuva no campo cheio de lama, ou até pode estar cheia de sujidade antiga e nunca bem lavada. A solução melhor de todas é perguntar à mãe ou à avó o que fazer! Melhor ainda, é dar-lhe a peça para as mãos e ir buscá-la dias depois, já com o milagre feito. Isso é o que temos feito várias vezes, mas finalmente decidimos perguntar como se faz, para aprender! As referências são as melhores possíveis: mãe de 3 filhos, avó de 10 netos (dois deles adoptivos), e já bisavó, e senhora da mais irredutível intolerância à sujidade que já andou na face da terra. As suas "limpezas rápidas" duram dois dias. As limpezas "a fundo" uma semana, e o chão fica mais limpo que muitos pratos!

Perguntámos, e foi-nos respondido! Os melhores truques, para tirar as nódoas mais difíceis, mais impossíveis de sair, estão reunidos num caderninho, inspirado em sabedoria antiga, publicações para donas-de-casa com décadas, e muita experiência no combate à nódoa! Os conselhos que aqui vamos reproduzir são para nódoas em todos os tipos de tecidos, não apenas para camisolas do Sporting.

O pesadelo: uma nódoa caiu no melhor pano!

Não estamos a aconselhar o produto que mostramos em baixo, e os truques da avó vêm depois da foto! A foto apenas mostra uma das piores coisas que pode acontecer a uma camisola do Sporting: uma mancha horrível a estragar as riscas verde brancas!

remover nódoas de todos os tipos, tirar sujidade

Os truques da avó: métodos e produtos para tirar nódoas

A natureza das nódoas é muito variada e encontrar o produto certo pode ser difícil. Mas não desesperem, a solução pode estar perto, já que alguns produtos habitualmente usados na cozinha e casa de banho podem ser suficientes para tirar uma nódoa. Outros podem ser comprados nas drogarias. Aqui damos algumas ideias.

Água: usar sempre fria, já que a água quente tem tendência a fixar alguns tipos de sujidade! Já a minha avó dizia para nunca lavar a quente, porque a água quente "coze" algumas nódoas que depois nunca mais saem. A água gasosa muitas vezes dá excelentes resultados, por ex. para tinta de caneta ou esferográfica, e fruta. Para limpar manchas de café ou cacau, pode juntar-se detergente ou champô. Quanto à tinta de água e à transpiração, devem ser limpas com a ajuda de um pouco de vinagre.

Acetona: utilizar em tinta de esmalte ou de óleo, verniz das unhas, algumas colas, e tinta de esferográfica. É, no entanto,, recomendada uma certa cautela, já que este produto é muito inflamável, e não serve para fibras à base de acetato porque as danifica.

Álcool: tinta de esferográfica, de caneta, relva, vinho, sumos de fruta, marcador, perfuma, resina e cosméticos.

Amoníaco: deve ser adicionado a água para tratar nódoas difíceis de transpiração e de fruta. Ainda se pode juntar água oxigenada para se limpar manchas de relva. Uma mistura de três partes de álcool para uma parte de amoníaco também é útil para fazer sair nódoas antigas de tinta.

Benzina: tinta de esmalte e de óleo, óleos minerais (derivados do petróleo), lubrificantes, gorduras, manteiga, margarina, natas.

Detergente (com enzimas): uma solução fria pode eliminar nódoas de ovo, sangue, e leite. Nunca usar uma solução quente ou mesmo morna, pois a albumina contida nas manchas pode ficar agarrada ao tecido de forma irremediável. Eventualmente, e se tudo falhou, fazer depois de uma lavagem normal.

Lixívia (diluída): nódoas em tecido de algodão branco ou linho branco e de canetas de feltro em tecidos não laváveis. Testar sempre primeiro numa área que não seja visível, por ex. o debruado ou as costuras!

Milagre com lixívia: nódoa de caneta com décadas saiu!

Milagre: uma nódoa de caneta com décadas saiu por inteiro

Esta camisola é dos anos 1950/60, de um jogador do Sporting! Foi comprada a um seu filho, e vinha com a nódoa terrível que se vê na foto da esquerda. Foi o irmão mais novo que usou a camisola do pai para jogar futebol na escola, e decidiu pintar com caneta o seu número (1), e o emblema da sua equipa (o FCI do 5º ano turma A2).

Pois bem, a avó que deu todas estas dicas, conseguiu retirar completamente esta nódoa de caneta ou esferográfica, que tinha sido feita há uns 40 anos! E foi com lixívia.

Primeiro, testou que a cor verde do pano não saía: virou a camisola do avesso, meteu uma tábua de cozinha de plástico a separar as costas da frente da camisola, e com cuidado, meteu um pouco de lixívia pura no pano verde por trás do emblema. Se desbotasse, não se ia ver!

Depois, embebeu um cotonete na lixívia, e foi passando, devagar, com paciência, ao longo do desenho. Não foi um cotonete, foram muitos, e demorou cerca de quatro horas. Paciência de mãe, mas fez um autêntico milagre, e devolveu esta camisola histórica ao seu esplendor original!

Água oxigenada a 30 volumes: manchas difíceis de cacau, café, e chá. Fazer o teste do debruado, e agir no espaço de 30 minutos. Não usar em nylon!

Glicerina: velhas nódoas de café, leite e alcatrão. também serve para o pré-tratamento de gordura e lubrificantes. Só usar em têxteis laváveis.

Sumo de limão, ácido cítrico ou ácido oxálico: ferrugem, fruta, ou tratamente de tecidos não laváveis.

Margarina: alcatrão e óleos usados nos carros. Se a sujidado for depois raspada, sairá na sua maioria. Só usar este método em tecidos laváveis.

Percloroetileno: o solvente orgânico menos tóxico, que se pode utilizar nas nódoas de gordura, óleos, e canetas de feltro em tecidos não laváveis. Testar numa parte escondida antes de usar!

Perborato (solução de uma colher de café para dois litros de água): restos de nódoas de vinho e de fruta. Molhe a peça de roupa na sua totalidade, pois é possível verificar-se alguma pequena descoloração. também é útil para nódoas de leite já muito secas.

Sabão: pré-tratamento de nódoas velhas de vinho, tinta de esmalte e de óleo. Após a aplicação do sabão, raspar a nódoa.

Sal: sangue, transpiração e absorção de manchas fortes de vinho e fruta.

Soda: nódoas antigas de sangue.

Pó de talco ou cal: aplicar sobre a gordura, a fim de evitar a sua incrustação. De seguida, deixar secar durante alguns momentos e escovar.

Terebentina: alcatrão.


A nódoa que não saiu: sangue seco há 40 anos!

A nódoa que não saiu: sangue velho, seco há 40 anos

Esta camisola é dos anos 1970, usada em jogo por um jogador do Sporting. O jogo deve ter sido uma autêntica batalha campal, porque a camisola está cheia de salpicos de sangue, e tem vários rasgões onde terá sido puxado por algum adversário. O sangue é então velho, seco há quase 40 anos.

Tentámos limpá-la seguindo os conselhos que aqui são dados. Para testar, molhámos a camisola com água fria, e aplicámos numa das nódoas mais pequenas o produto mais suave de todos, que pode ser usado numa pré-lavagem, até porque o tecido em si está amarelado: um pouco mínimo de sabão azul e branco, com um cotonete, por cima da nódoa.

Pois bem, o tecido com o sangue simplesmente desapareceu, como que se dissolveu. Onde estava a nódoa, abriu buraco, que se pode ver na foto. Parámos, retirámos a camisola, secámo-la e guardámo-la o melhor possível, deixando as nódoas de sangue e o amarelado em paz: mais vale uma camisola suja de sangue (sinceramente, esperamos que seja do jogador adversário!), do que uma camisola esburacada.


Para ver mais dicas sobre camisolas, clique aqui!


NOTA IMPORTANTE: Cuidado!

Muitos destes produtos são tóxicos, inflamáveis, e corrosivos!!! Usar com prudência, usando luvas industriais e máscara. Não tocar, não respirar. Guardar fora do alcance das crianças.

Com agradecimentos à Sra. D. Maria Joana de Faria Bento Pessoa.



© 2009-2017 Nuno Barradas 40755-0